Pular para o conteúdo principal

Relato do meu parto natural

-
Desde pequena ouço minha mãe falar dos seus partos normais e sempre tive a certeza de que no dia em que eu engravidasse teria meu filho da maneira normal, afinal ele deveria sair por onde entrou rs Claro que não abomino a cesariana, mas para mim ela existe para salvar mãe e/ou bebê e não para ser algo escolhido. Respeito a escolha de cada mulher, mas esta não seria uma escolha minha. Portanto, desde que descobri minha gravidez "inesperada" mas super desejada, decidi que iria enfrentar uma "batalha" visto que o modelo do Sistema brasileiro mostra que hoje em dia na rede particular aproximadamente 90% das mulheres têm seus filhos através de cesareas agendadas. Na maioria dos casos, influenciadas por seus médicos que não querem exercer sua profissão de maneira ética e querem decidir o dia do bebê nascer sem comunicar a ele e isso gera muitos problemas... (em breve outro post sobre isso...)
Enfim, corri atrás de informações com amigas que tiveram seus filhos de parto natural, busquei informações na internet e tive que aceitar que precisaria mudar de GO, pois mesmo ela sendo a favor do parto normal, o substituto dela é um "cesarista" e se ela não estivesse, já que a data prevista para o parto coincidia com as férias dela, eu teria que acioná-lo e isso me deixou muito insegura.
Com a indicação de uma amiga, cheguei ao Instituto Aurora. Entrei em contato e falei com a Fadynha que me explicou sobre a proposta do Instituto, falou sobre as aulas de yoga e as palestras gratuitas quinzenais. A primeira palestra que fui,  foi a do Dr. Antônio Carlos e logo me identifiquei e marquei uma consulta.
Em setembro, comecei minhas aulas de yoga com a Fadynha e ia a todas as palestras.
No dia 27/09 tive uma ameaça de parto prematuro e tive que ficar de repouso por 1 semana. As contrações não eram doloridas para mim, mas a preocupação de ter meu filho com 22 semanas de gestação me assustou. Mas a gravidez seguiu tranquila, fazendo o uso do utrogestan intra-vaginal.
Continuei trabalhando normalmente, levando minha vida agitada e segundo meu pai participando de um concurso entitulado por ele de "gravidez certa", pois eu lia, estudava, fazia minha yoga e me preocupava em me "empoderar" para ter meu parto da maneira como desejava, e fazer com que meu filho fosse tratado com respeito ao nascer...
Logo no inicio, combinei que Fadynha seria minha doula e mentalizava que meu parto seria um parto feliz e sereno...
Desde a primeira ultra,  Rafael estava com a cabeça para baixo e eu brincava que ele era bonzinho com a mãe e que não queria que eu falasse no ouvido dele.

Quando completei 32 semanas (24/11/2013) fui fazer meu book de gestante (presente da amiga Pamela Perez)  a barriga pesava muito e comecei a inchar... inchar muito... tava tudo mais dificil... dormir era mais complicado, levantar da cama, comecei a andar de taxi, pois pegar onibus já era meio cansativo... e algumas pessoas diziam: ih...começou a inchar?? na terceira vez q inchar o bebe nasce... (e não é que deu certo? rs)

No dia 30/11/2013 foi o chá de bebê do Rafael e eu estava bem pesada. Engordei 10 kilos mas a barriga era grande e pesava. Rafael não parava nem um minuto, as vezes parecia q ia rasgar minha barriga rs e aí minha irmã brincou dizendo que ele precisava de uma seta para mostrar que era por baixo q ele tinha que sair... e o pai brincava: quando ele achar o caminho ele vai sair rapidinho... (hoje percebo que meu filho é obediente... obedeceu as "ordens" da tia e do pai rsrs)

Pois bem...
Na semana do chá tive uma dor na lombar bem forte, liguei para meu médico e ele pediu para eu fazer uma compressa de água fria e repousar e se fosse o caso ficar em casa no dia seguinte, mas a dor passou e eu fui trabalhar...

Minha consulta do mês estava marcada para dia 18/12, mas decidi antecipar para dia 11/12, pois eu estaria com 34 semanas e precisava fazer o exame de streptococus para saber se o bebê precisaria do colírio de nitrato de prata ao nascer...(informações adquiridas na palestra da pediatra Dra Katia Burigo)

Já tinha enviado minha história para o programa Boas Vindas, pois como minha previsão de parto era de 05 a 19/01 daria tempo para participar.

Antecipei então minha consulta para dia 11/12/2013 as 16:30 (quando estaria com 34 semanas e 3 dias)

Na madrugada do dia 11/12/2013 senti uma dor forte no ciático (ele já vinha me incomodando há algum tempo) e não consegui dormir... acho q só consegui tirar um cochilo lá pelas 6:30. As 7:15 minha irmã ligou para sairmos mais cedo pois foi o dia da MEGA CHUVA... por incrivel que pareça chegamos cedo e fui de onibus para o trabalho.

A tarde, lá pelas 15h fui ao banheiro e vi que saiu um "catarro verde" e pensei: "ih deve ser um pedaço do tampão mucoso" nem me preocupei pois sabia que o tampão poderia sair aos poucos e até um mês antes....
E como eu tinha consulta nem liguei para meu obstetra.

As 16h saí do trabalho para a consulta, minha mãe foi me encontrar lá... Quando cheguei relatei para ele a dor no ciático e o catarro... ele já se preocupou e foi examinar.
Quando ele tocou arregalou os olhos e disse: esse menino encaixou!!!
Na mesma hora disse: vai ficar de repouso 15 dias deitada, sem fazer nada! quero segurar essa gravidez pelo menos até a 37ª semana...

Como ele tem ultra no consultório fomos fazer a ultra para ver como ele estava e ele estava bem, placenta madura, ele estava com 2446 e 46cm segundo a ultra e estava encaixado, mas sem dilatação. Mesmo o médico achando q ele estava maduro, pediu para eu ir a farmácia tomar o corticoide para amadurecer o pulmão.

Moro na Zona Norte e minha mãe na Zona Sul e o consultório é próximo a casa da minha mãe. Meu médico nem me deixou ir pra casa, mandou eu ficar quieta na casa da minha mãe. Saí de lá e fomos na farmácia. Liguei para meu namorado para avisar do meu repouso.
Tomei a injeção e na hora que saí da farmácia tive a primeira contração (já de trabalho de parto) senti uma fisgada, respirei fundo e pensei: hum... estranho...
Falei para minha mãe: Acho que Rafael não gostou dessa injeção!!!
Entramos no taxi e tive a segunda contração. Mas eu estava calma, pois em vários relatos que li isso poderia acontecer sem que fosse o trabalho de parto em si.
Quando cheguei na casa da minha mãe ela arrumou a cama dela para eu deitar. Liguei para meu namorado e para minha amiga-irmã-comadre... e liguei para a secretaria do meu chefe para avisar do repouso...
Quando desliguei me senti estranha: pensei: não tô normal, tem algo estranho acontecendo...
Logo que meu pensamento se foi... ploft... a bolsa d´água rompeu!!! (isso ocorreu as 18:57)
Pensei: putz... vai nascer amanhã!!!!
Falei para minha mãe que ficou tensa... Liguei para meu médico e ele: o que?? não acredito! Vai nascer hoje ou amanhã!!! Monitora a evolução das contrações e me liga! Vou ligar para a maternidade!!
Nesse momento minha irmã e minha sobrinha chegaram... Minha mãe ligou para meu namorado e pediu q ele passasse na minha casa para pegar as malas. Ele quase enlouquece rs
Liguei para Fadynha e quando falava com ela tive uma contração... ela ficou de ligar para dr Antonio para saber o que faríamos... se iriamos já para a maternidade ou se ela iria para casa da minha mãe..
Falei com minha amiga-irma-comadre e dinda do Rafa e quando falava com ela, mais uma contração...
Nisso minha irmã começou a anotar...
Estava com muita fome e liguei para meu médico para saber se eu podia comer: ele disse que sim mas uma coisa leve... minha mãe foi fazer uma sopinha (ainda n comi até agora rs) e comprou um suco...
A água não parava de descer, as contrações não paravam... o intervalo entre uma e outra era de mais ou menos 1/2 minutos. Nessa altura minha irmã era minha "doula" e minha sobrinha minha "mini doulinha". Minha irmã ligava para dr Antonio e Fadynha para saber como agir e passar as infos do que acontecia... a decisão foi ir logo para a maternidade. Pedi autorização para tomar um banho, coloquei uma fralda de pano, pois a água não parava de descer e fomos... No taxi minha mini doulinha me dava sucrilhos na boca e minha irmã não tinha mais como monitorar as contrações...
Já no táxi comecei a sentir a sensação do puxo... E eu não consegui entender pois a rapidez era muito grande... E nessa hora minha mini doulinha (minha sobrinha de 3 anos) falava: Rafael não faz isso com sua mãe, espera chegar no hospital!!
Chegando na maternidade tivemos q seguir o protocolo e nada de subir e as contrações cada vez mais fortes...
Eu gritava alguns palavrões durante as contrações (relato da minha irmã) rs
Até que uma médica de outro hospital apareceu e mandou q me mandassem subir imediatamente. E disseram q estavam esperando a cadeira de rodas. A médica me perguntou: Você consegue andar? E eu respondi que sim... Fomos então eu e minha irmã, pedi a ela que ficasse comigo caso Diego não chegasse a tempo. Fomos para emergência onde a Dra Júlia (fofa!) me atendeu e fez o toque e disse: 8 de dilatação!

Nesse momento eu quase surto... aí sim fiquei realmente nervosa e acho que meio q perdi o controle...

Como assim 8???? E logo imediatamente veio a vontade de evacuar...




Minha irmã ligou para meu médico que quase teve um treco ao constatar que eu estava JÁ com 8, ou seja faltava muito pouco...


Fomos direto para o andar do centro cirurgico e diante da possibilidade de outra pessoa fazer meu parto eu gritei: eu quero a sala de parto natural e não quero ANESTESIA!!! A Dra Júlia me disse: calma, se seu médico não chegar não farei nada que você não queira... e ainda disse; trabalho no Maria Amélia (pensei: UFA!!!) - editando dia 08/12/16 - Gostaria muito de saber quem é essa Júlia, pois queria tanto agradecê-la pela simpatia e pela ajuda. Desconfio que seja a Júlia Freitas, mas não tenho certeza! Gostaria de saber...

E fomos... eu e minha irmã para trocar a roupa e colocar aquela roupinha de hospital...
(OBS: eu estava de top e sempre quis ir de top para o parto, inclusive comprei um para isso, mas não deu tempo dele chegar. Mas a enfermeira não me deixou ir de top :-(!!!! Fiquei arrasada rsrsrs Tive q ir com a roupinha da maternidade mesmo, touquinha e sapatinho)

Entrei na sala de parto gritando muito, pois não havia mais espaço entre as contrações e a vontade de evacuar só aumentava...
E eu perguntava pela Fadynha, pelo dr Antônio...
Logo depois Fadynha chegou...
E antes q minha irmã entrasse, meu namorado chegou e ele entrou e disse: Paty. calma, calma e eu:
PARA DE FALAR CALMA rsrs

Logo que dr. Antônio chegou eu gritava mais e mais, senti tudo arder... (o tal circulo de fogo?) e a vontade de evacuar MUITO forte...

Ele me viu e falou firme: para de gritar! se acalma! Mandou colocarem a barra na cama, me mandou ficar de cócoras e assim que desci segurando a barra, a vontade de empurrar foi mais forte que eu... uma queimação daquelas e eu fechei os olhos... de repente abro e meu filho já estava lá!!!!! E assim que eu o vi não conseguia acreditar...

A dor??? Não tinha mais nada...

Peguei meu pequetito no colo, falei com ele, meu namorado chorava ao meu lado, falava com ele...
Ele ficou no meu colo, nos conhecendo... coloquei no peito, mas ele não mamou, abriu só um olhinho e me olhou quietinho... chorou um pouco, mas tava "cansado" né? rs
Quando o cordão parou de pulsar, o pai cortou... não tinhamos tido tempo de filmar e nada e aí pedi para meu médico emprestar o celular e tirar umas fotos...
As 21:15 do dia 11/12/2013 nasceu assim meu pequeno príncipe... com 2kg760gr e 47,5cm e com idade de capurro de 35 semanas e 2 dias.
A pediatra (plantonista do hospital, pois não deu tempo da pediatra da equipe chegar) disse que ele estava ótimo, apgar 9/9, respirando perfeitamente bem, me deixou mais tempo com ele no colo e foi aí q senti mais uma contraçãozinha e era a placenta...
A pediatra o levou dizendo que o deixaria só 1 hora na incubadora, apenas porque ele era prematuro...
O pai foi com ele no colo...
E eu fiquei lá...
Aí sim... o bicho pegou... tive laceração dos dois lados e inclusive no meato uretral... meu médico ficou algum tempo "resolvendo" tudo que aconteceu ali... Chamou um urologista, coloquei sonda, fiz ultra e assim... depois de um trabalho de parto e parto de 2horas e 18 minutos... o pós durou quase 5 horas... Não quis anestesia, toda a sutura e manipulação foi feita apenas com anestesia local... claro que doeu, mais que o parto, mas assim preferi... Durou esse tempo por causa de várias burocracias, aguarda liberar a sala onde pode fazer ultra, aguardo o maqueiro, aguarda subir de novo, conseguir uma nova sala e etc, etc...
Fadynha ficou bastante tempo comigo e foi ótimo!!! Assim fica mais fácil, até que num certo momento pedi a ela que fosse avisar minha família o porquê da demora...
E ainda bem q estava com uma equipe competente, pois "inesperados" acontecem... mas tudo deu certo e quando tudo acabou o que eu queria era um filet com fritas...rsrs
A minha dor começou quando cheguei no quarto e soube que Rafael tinha ido para a UTI. Ele estava ótimo, mas com a minha demora deram um complemento para ele, ele vomitou e teve um taquipineia e levaram...
Isso já é um outro capítulo...
O que importa é que hoje 19 dias depois ele está ÓTIMO!!! Mamando livremente, eu feliz e ele um príncipe!!!! Nada melhor que começar o ano com seu bebê no colo...

Estou relendo esse post hoje quase 3 anos depois e gostaria de acrescentar que hoje meu sonho é parir em casa na presença de pessoas ppor mim escolhidas e ao lado do meu prim ogênito. Sonho com esse dia e rezo para que se caso haja essa possibilidade deu ser mãe pela segunda vez, que o baby dois espere pelo menos 37 semanas para eu ter chances do parto domiciliar e dizer que as burocracias hospitalares não estavam nos meus planos, afinal: por que não levaram meu bebê a meu encontro após uma hora de incubadora? Por que decidiram dar-lhe um complemento sem me consultar? Enfim... passei muitos perrengues naquela UTI, mas acho que só escrevendo outro post...

Abaixo a única foto que consegui tirar durante o 
trabalho de parto, ainda em casa durante uma
contração. Minha mãe me dando um copo
de água

E a outra já com Rafael nos braços, tirada
com o celular do meu médico!

Comentários

Anônimo disse…
Parabéns Paty!!!
Desejo muita saúde ao pequeno príncipe, pois amor ele tem transbordando de todos os lados!
Bjos da tia coruja e do(a) prima(o)
Cris disse…
Lindo relato! Emocionante! Parabéns! Saúde, sucesso e energias positivas pra você e o Rafael! Beijos, Cristine
Flavia Penedo disse…
Olá, incrível sua história! Tenho lido muitos relatos de partos naturais, cada um mais emocionante que o outro :)

Queria te perguntar sobre a Fadynha. Tenho tentado contato com ela mas as gente anda num desencontro só. Estou grávida e quero começar logo as aulas e pra me planejar seria bom pelo menos já ter uma idéia do valor. Será que vc poderia me passar?
Vi que os comentários aqui são com moderação, então não precisa nem publicar... Meu email é flapenedo@gmail.com
Te agradeço!
abs
Flavia

Postagens mais visitadas deste blog

"Aonde quer que eu vá"

Quem é que nunca ouviu uma música e lembrou de um momento da vida? Músicas, cheiros... quando ouvimos ou sentimos parece que entramos numa máquina do tempo e vamos até o momento em que vivemos tal situação... Hoje eu estava no carro e tocou no rádio uma música do Paralamas do Sucesso "Aonde quer que eu vá levo vc no olhar..." E essa música fez parte de um momento da minha vida... E a letra é incrivelmente linda... Logo depois q o Hebert e a mulher sofreram o acidente e ela morreu eu soube que ele escreveu essa música antes do acidente e fiquei boba porque parece que ele "pressentia" o que aconteceria... Na verdade lá no fundo do nosso ics, da nossa alma pressentimos muitas coisas e colocamos isso em carta, textos, músicas... E parece que Hebert fez isso pressentindo que seu amor iria para um outro plano... Eu sempre tive uma intuição forte e aguçada e muitas coisas que aconteceram na minha vida pareciam que aconteciam do nada, mas eu já sabia que algum dia tal situ…

Saudadinha

Ai, hj bateu uma saudadinha...
Há três meses venho exercitando uma coisa que não tenho que se chama: paciência
Entendendo de que cada um tem seu tempo e de que o meu tempo nem sempre é o tempo certo...
Isso porque tem umas coisinhas simples que me prendem... e me deixam assim... sonhando, pensando, fantasiando... E-S-P-E-R-A-N-D-O
Que verbinho dificil de conjugar esse: esperar... dificil demais para uma sagitariana nascida de 8 meses...
E quando a saudade bate assim... fica ainda mais dificil...
"Também estou com saudades, quer dizer você não disse que estava, mas escreveu... é mas eu estou..." essa frase é igual a cair da cama e esconder a cabeça no travesseiro... fofo demais...
-Então tá, um beijo!
-Dois!
Own... é bobo né? Eu sei, mas é tão fofo...
Será que estou tendo aulas de frieza?? Será que eu posso falar isso??? Será que posso dizer: hum, que saudades do seu sorriso de canto de boca??
O desejo de acertar é tão grande que fico meio paralisada...
Só queria dizer que es…