Pular para o conteúdo principal

O Corpo


Em março de 2008 tomei conhecimento do ballet do grupo O corpo devido ao lançamento das jóias da HS inspiradas nele. Apesar da minha irmã ser bailarina formada e desse assunto sempre permear as conversas familiares nunca havia tomado conhecimento deste grupo, que segundo minha irmã apresenta uma dança contemporânea, mas seus bailarinos fazem aula de ballet clássico e acredito que seja por isso a perfeição de seus movimentos. Há uns dois meses atrás eu li no portal da HS que o grupo se apresentaria nas principais capitais brasileiras, incluindo o RJ, onde eles se apresentariam no Teatro Municipal no período de 09 a 12 de setembro. Chamei minha mãe e minha irmã para assistirem comigo, minha mãe de imediato topou e minha irmã ficou tentada, mas pela proximidade do nascimento de Laurinha achou melhor ficar quietinha em casa, vai que Laura resolver nascer no Teatro?? rsrsrs
Só que como boa brasileira deixei a compra dos ingressos para última hora e aí durante a semana passada conversando com Alê no facebook soube que ela queria MUITO ver também e assim foi, entrei no site do Teatro e comprei nossos lugares na galeria lateral (o menos pior dentre as opções que restaram) e lá fomos nós no domingo dia 12/09, eu, mom Alê e Xandre ver o Grupo Corpo no Teatro Municipal onde eles apresentaram dois espetáculos: "Imã" e "Lecuona", este último dá nome a uma das coleções da HS que sempre tive paixão e que agora me deixaram mais apaixonada ainda por cosneguir perceber nos movimentos a perfeição dos designers, lapidários e ourives que conseguirem transmitir para o objeto joia a leveza, o movimento e a sensualidade do ballet Lecuona.

O grupo de ballet contemporâneo foi  "fundado por Paulo Pederneiras em 1975, em Belo Horizonte, Rodrigo Pederneiras assume o posto de coreografo em 1981 e o grupo conquista uma identidade própria" 

Uma identidade própria é o que vemos em cada movimento dos bailarinos e a forma e força com que eles fazem cada passo e cada movimento.

"Trata-se de uma companhia de dança contemporânea, eminentemente brasileira em suas criações. Sua carreira vem sendo marcada por sucessivas metamorfoses, mas sempre norteada por três preocupações: a definição de uma identidade, vinculada a uma idéia de cultura nacional (com toda a fluidez que isso implica); a continuidade do trabalho, pensado a longo prazo; e a integridade na sustentação de padrões autoimpostos de elaboração."

Podemos ver durante todo o espetáculo a dedicação e paixão que cada bailarino tem por seu trabalho e por sua dança. A sensação que eu tive em vários momentos é de que os bailarinos são feitos de "papel" tamanha a leveza com que bailam pelo palco.
E não apenas os bailarinos fazem parte do espetáculo, o figurino, a montagem do palco, a luz fazem parte do show.

"Espaço,forma, cor e textura. Um dos nomes para reunião disso tudo é cenário - quando passam por eles os corpos em movimento, dando vida à cena e virando também cena viva." (www.grupocorpo.com.br)

O segundo ato é o ballet Lecuona retratado nas fotos acima de duas maneiras: o anel da HS que utiliza uma textura diferenciada do ouro dando um look minimalista assim como os figurinos utilizados pelos bailarinos e as cores diferentes do ouro representam a diversidade dos casais que formam os 12 pas-de-deux que compõem o Ballet Lecuona. E na segunda foto vemos o casal entrelaçado em um dos pas-de-deux que fazem parte do segundo ato. 

"Lecuona de 2004- treze derramdas canções de amor cubano de Ernesto Lecuona (1895-1963), Rodrigo exercita seu dom para a criação de pas-de-deux. Amores ardentes, vorazes volúpias, ciúmes nefastos, corações partidos, saudades brutais, desprezo, rancor, indiferença... Singular, diferenciado que esbanja sensualidade."

Ao assistir os casais conseguimos visualizar exatamente as alegrias e tristezas do amor, da paixão... e cheguei a ficar arrepiada em alguns momentos porque era sensação pura...

"A sedução dos balés do Grupo Corpo foi transmutada em joias que equilibram formas rígidas e flexíveis de forma surpreendente. As imagens formadas pelos bailarinos, as coreografias e o figurino foram traduzidos na textura singular do ouro e no brilho das pedras. Os espetáculos de dança dão corpo e nome a cada linha de joias." (www.hstern.com.br)

Fiquei encantada e adimirada com a força e excelência do trabalho dos bailarinos, virei fãzona do Grupo Corpo e não perco mais nenhum espetáculo deles e é lógico mais fã ainda dos anéis Lecuona e espero vender vários rsrsrs

E a companhia não poderia ter sido melhor: mom, Alê e Xandre. Senti falta de Erika, Rob e é lógico da bailarina da família, mas foi por uma ÓTIMA CAUSA!!!

Mom, eu, Alê e Xandre no Municipal
 Na próxima poderemos levar Laura!!!
Ah e não posso esquecer de mencionar que o Teatro Municipal está LINDO depois da reforma!!!





Fontes de consulta: www.grupocorpo.com.br
www.hstern.com.br

Comentários

Marcelo Novaes disse…
Patrícia,
Parabéns pelo post tão bem inscrito, que pode inspirar outros no caminho da percepção. Este é um aprendizado sem fim, que, com dedicação e prática, desenvolvemos e nos tornamos pessoas melhores em todos os sentidos, pessoal e profissionalmente.
Parabéns pela iniciativa!
Marcelo Novaes
Alê disse…
O espetáculo superou minhas expectativas!
Extremamente emocionante e belo de assistir.Através dos movimentos dos corpos, a alma sobressai e com ela todos os tipos de sentimentos passionais e não passionais inerentes aos seres humanos.
Fiquei com muita curiosidade de olhar as peças da H.S que são inspiradas nos movimentos.
: )
Com certeza,ter assistido o espetáculo é uma inspiração a mais na venda das peças!
: )
beijos e boas vendas!
ErikaMartin disse…
Primeiramente,,,obrigada pela falta que fiz..kkk
O Theatro Municipal realmente está belíssimo!!! Tenho certeza que vcs aproveitaram o espetáculo{{ e eu também curti muito o que escreveu..Fiz um filminho na cabeça..entende?!
Só me tira uma dúvida: Vc é contratada da H.Stern ou do Grupo o Corpo? kkk Tanto talento para escrever...Parabéns querida! Adorei suas observações...na minha empresa o teu lugar está para além das vendas...bjs

Postagens mais visitadas deste blog

"Aonde quer que eu vá"

Quem é que nunca ouviu uma música e lembrou de um momento da vida? Músicas, cheiros... quando ouvimos ou sentimos parece que entramos numa máquina do tempo e vamos até o momento em que vivemos tal situação... Hoje eu estava no carro e tocou no rádio uma música do Paralamas do Sucesso "Aonde quer que eu vá levo vc no olhar..." E essa música fez parte de um momento da minha vida... E a letra é incrivelmente linda... Logo depois q o Hebert e a mulher sofreram o acidente e ela morreu eu soube que ele escreveu essa música antes do acidente e fiquei boba porque parece que ele "pressentia" o que aconteceria... Na verdade lá no fundo do nosso ics, da nossa alma pressentimos muitas coisas e colocamos isso em carta, textos, músicas... E parece que Hebert fez isso pressentindo que seu amor iria para um outro plano... Eu sempre tive uma intuição forte e aguçada e muitas coisas que aconteceram na minha vida pareciam que aconteciam do nada, mas eu já sabia que algum dia tal situ…

Para Laura

Resolvi reservar um cantinho aqui no blog para contar para você, Laura como foi a gravidez da mamãe a sua espera...  Minha sobrinha querida,
Eu soube que sua mãe estava desconfiada de que você estava lá sendo gerada dentro dela...
No dia 17/01/10, domingo, fomos no churrasco na lage da casa da tia Alessandra e minha princesa Marina ficou grudada na sua mãe... sua mãe começou a desconfiar de que a menstruação atrasada significava mesmo que você já estava lá... Neste mesmo dia a noite ela falou comigo no MSN:
- Patyça, tô bolada
- Por que??
- Minha menstruação tá atrasada, era para ter vindo dia 15
- Mas tá sentindo alguma coisa?? Faz o teste de farmácia
- Eu fiz semana passada mas deu negativo, mas meu peito tá doendo... não sei...
E assim ficamos na expectativa... até que depois de um feriado de São Sebastião em familia, onde eu, sua avó, seu pai e sua mãe almoçamos juntos, jogamos juntos e finalizamos o dia assitindo um belo pôr-do-sol no Arpoador e comendo um koni... (…

"Amar é dar o que não se tem"

Esta frase é de Lacan e que para mim faz todo o sentido pois descreve de forma sucinta e ampla o significado do AMOR. Para muitos pode parecer uma frase sem sentido, pois pensa-se: como assim? Como posso dar o que não tenho? Mas o grande barato de amar alguém é realmente dar àquela pessoa o que nos falta... que é o indizivel, o que nos move, o que nos faz desejar, o que nos faz andar sempre em frente em busca dos nossos sonhos, dos nossos ideais... Amar alguém é simplesmente querer dar e receber amor em forma de atenção, de cuidado, de carinho, de gestos, de querer ficar junto, de querer continuar em um outro ser... porque não existe amor mais profundo do que o amor de pais e filhos, pois aquele ser representa uma história, representa a "falta" de cada um dos pares que gerou aquela criança e é por isso que eu tenho plena certeza de que o amor é algo sublime, que nos faz crescer, que nos faz progredir, que nos faz feliz... Há muitas frases que falam de amor, mas essa de Lacan…